Barra de São Miguel na década de 1950 (Parte 1)

Nosso site traz nesta matéria uma das mais belas fotografias panorâmicas de Barra de São Miguel. Contemplemos a imagem da poeirenta vila nos idos da década de 1950:

Imagem 1- Fotografia Panorâmica da Vila de Barra de São Miguel
Provavelmente a fotografia nos mostra um instante congelado em dia que a rotina da vila estava alterada. Claramente os habitantes estão em sua maioria a se dirigir para a igreja da comunidade.  Infelizmente não temos a data exata desta bela fotografia, nem o registro do nome do fotógrafo que a fez, todavia, podemos fazer algumas conjecturas ao ampliarmos a imagem em determinadas direções. Observemos:

Imagem 2 - Destaque ao centro na imagem 1
Nesta posição central, a imagem 2 nos revela que a fotografia registrou um momento antes de 1959, data certa que não encontramos mais o cemitério ao lado da igreja. Além da enorme parede do cemitério, podemos observar o grande cruzeiro que havia na calçada de frente da matriz de São Miguel Arcanjo, com as pessoas sentadas em sua volta, algo corriqueiro, segundo informações de moradores da época, a exemplo do Sr. Antônio Congo. 
Também é visível a grande árvore que oferecia sombra aos moradores. Observe como os mesmos disputam um espaço debaixo da planta, que os barrenses a nomeavam como "pé de fixo" (provavelmente seria uma planta cujo nome científico correto seria ficus benjamina). O prédio da Prefeitura, que hoje faz parte desta paisagem, não havia sido construído ainda no momento da fotografia.
Um grande poste de madeira também está no cenário, na esquina da rua. Lembremos que antes da década de 1970, ano da chegada da luz de Paulo Afonso na cidade, não havia ainda os postes de cimento.
 Vejamos mais um lado da fotografia 1:

Imagem 3 - Destaque à direta na imagem 1
Esta imagem 3 nos apresenta o lado direito da foto panorâmica. Aqui, o casario da Rua Thomaz de Aquino é o grande destaque. Elegantes homens, trajados de terno estão aglomerados, provavelmente nas mercearias que havia neste lado da rua. Crianças também são visíveis na rua.
O calçamento ainda não faz parte do cotidiano local, mas já é visível a divisão da calçada na rua. Outro destaque são as cantoneiras nos frontões das casas. Como não havia os postes de cimento, a fiação para a luz provida do motor a diesel passava de uma casa para a outra por meio destas cantoneiras, colocadas na posição horizontal no alto das residências.
Por fim, é visível que no horizonte não havia residências ou outros equipamentos públicos na região por traz da igreja e do cemitério. Provavelmente, o grande telhado da antiga Casa Paroquial nos impede de ver o prédio do Grupo Melquíades Tejo e da casa do motor que seria ao seu lado.

Imagem 4 - Destaque à esquerda na imagem 1
Por fim, nesta imagem 4, temos o destaque para o lado esquerdo da fotografia panorâmica. Aqui, encontramos mulheres a caminhar e homens a conversar na sombra proporcionada pelas casas deste lado da rua.
Além de parte da fachada do Mercado Público, encontramos um caminhão que nos dá uma pista do período. Comparando com imagens de veículos antigos, provavelmente este é um Caminhão Chevrolet 1951. Não sabemos quem seria seu proprietário, ou mesmo quem estaria a trabalhar no mesmo. Todavia, temos aqui uma bela pista para situar a paisagem pós 1951. Como já mencionamos no início da matéria, o cemitério ao lado da igreja foi demolido antes de 1959, o que nos leva a situar a fotografia na década de 1950.

Em breve, publicaremos mais imagens deste período.


João Paulo França, 25 de maio de 2017.


Fonte:

Acervo de José Clemilton Truta
Informação do Sr. Antônio Congo.
Site https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficus_benjamina
Site http://www.borkenhagen.net/curiosidades/chevrolet1951.html