Vamos viajar nos anos 1970 e 1980? Vamos de "misto"!


Nosso site volta nesta data às décadas de 1970 e 1980. Por meio de acervo e informações do Sr. Eduardo Belo Barbosa, popularmente conhecido como "Eduardo do misto", podemos observar um dos meios mais populares de deslocamento da população interiorana em várias décadas passadas. Provavelmente muitos de nossos jovens nunca ouviram falar do "misto" e de sua importância econômica e social em nossa região. Com alegria, vejamos a imagem do "misto" do Sr. Eduardo:

Acervo do Sr. Eduardo Belo Barbosa (Eduardo do "misto")
Esta fotografia foi realizada no Sítio Pindurão, entre as cidades de Santa Cruz do Capibaribe-PE e Barra de São Miguel-PB. Na mesma estariam moradores barrenses como Antônio Simião, Zeca Belé, Sr. Bento, Mariquinha de Amaro de Chica.
O Sr. "Eduardo do misto" ainda reside no Sítio Jaques, divisa de Caraúbas com Barra de São Miguel. Foi um personagem que marcou época na região Cariri fazendo a rota com este veículo para a cidade de Santa Cruz do Capibaribe, via Barra de São Miguel, na segunda-feira. De Caraúbas o mesmo fazia a linha para Campina Grande na terça e voltava na quarta-feira. Também saía na sexta e voltava no sábado. O mesmo recorda que fez viagens entre os anos de 1971 e 1983, ano que fez sua despedida da linha.
Entre as centenas de passageiros que transportou lembra diversos moradores da região, como os senhores Santiago, João do Jaque, Artur Arruda, Amaro de Chica, Zé Beco, Adaulto, Antonio Simião, dentre outros.
Tratando um pouco mais do caminhão "misto", com muita sensibilidade, Bernardo Issler faz o seguinte relato:

"Por "gênese" é um caminhão com dupla finalidade: transporta carga e passageiros. A cabine ou "boleia" é modificada, dando lugar a três ou quatro filas de bancos, cada uma recebendo cinco ou seis passageiros. Esta improvisação ocupa metade do comprimento do veículo. O restante da carroçaria recebe a carga. Sua importância é maior do que se supõe à primeira vista. Partindo de uma localidade que convenciona ser sede das atividades, faz a "linha" uma ou duas vezes por semana à capital do estado ou centro regional, distantes muitas vezes mais de quarenta léguas. Uma tabuleta de madeira, pintada a capricho, indica, do alto do pára-brisas, o destino: Misto Orós-Icó ou tantos outros: Jaguaribe-Ruças, Floriano-Oeiras-Picos, Jucás-Iguatu, Moçoró-Açu, etc. O motorista é figura de relevo, importante, popular e respeitado pelo seu grande valor "social". Por onde passa todos lhe conhecem, acenam, cumprimentam. Traz notícias, recados, cartas, bilhetes, volumes, etc.. . Basta pedir — seo João, me faz o favor de entregar lá no Croata, pra Maria do Socorro. . . — é uma carta de amor, escrita em letras trêmulas e disformes que o saudoso "cassaco" pede que entregue à sua namorada. Êle está trabalhando, já há tempo, na estrada que o DNOCS está abrindo".

A crônica completa sobre "o misto" pode ser acessada aqui  .

Tem mais alguma referência no nosso transporte? Será um prazer compartilhar por aqui.

João Paulo França, 07 de novembro de 2017.



Fonte:

Imagens e informações do Sr. Eduardo Belo Barbosa
ISSLER, Bernardo. O misto. Disponível em:  http://www.consciencia.org/o-misto-pau-de-arara-na-regiao-nordeste-do-brasil . Acesso em: 07 nov. 2017.